Presente dos namorados será em média de R$ 152 no Grande ABC, com queda de 7,7%

PIC da Metodista prevê movimentação financeira de R$ 57 milhões na região

Acompanhando a tendência para todas as grandes datas do comércio neste ano, o Dia dos Namorados refletirá no Grande ABC a queda da atividade econômica brasileira por conta da pandemia de coronavírus: o preço médio que consumidores estão dispostos a pagar por presente é de R$ 152, contra R$ 161 no ano passado, uma redução real de 7,7% descontada a inflação de 2,2% no período anual. Para metade dos entrevistados, o valor a ser gasto será até 50% inferior ao de 2019.

A projeção é de que as compras movimentarão R$ 57 milhões nas sete cidades do ABC, uma retração de 16% em relação a 2019 e o pior resultado da série iniciada em 2012 pelo Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo. Segundo a PIC (Pesquisa de Intenção de Compras-Namorados), a média de gastos planejados para a data (mais de um presente) também caiu, para R$ 169, ou 15% menor do que os R$ 196 do ano passado.

Como esperado, namorados (59%) e esposos (31%) serão os principais presenteados. Vestuário (27,9%), perfumes e cosméticos (16,9%) e cestas de café da manhã (11,6%) estão entre as principais lembranças selecionadas pelos 521 entrevistados.

Em tempos de pandemia, a internet é o canal soberano das compras, apontada pela preferência de 73%. No ano passado, apenas 16% optaram pelas compras eletrônicas. Outros 23% indicaram que farão aquisições em lojistas/comerciantes que entregam por delivery ou autônomos. Segundo o coodenador de estudos do Observatório Econômico, professor Sandro Maskio, o cenário é resultado da queda no nível de renda dos brasileiros. “Houve aumento na presença de famílias na região com renda até 5 salários mínimos, que são dois-terços dos entrevistados (69,3%)”, citou.

Acompanhe a íntegra da pesquisa.

Reportar Erros

X