Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Causas sociais e ambientais também são marketing, diz executiva da P&G

por Maria Luisa Marcoccia Última modificação 2020-10-01T14:05:28+00:00
Natália Passarinho falou sobre marketing 5.0

Nem sempre uma campanha de marketing bem-sucedida trabalha com linguagem comercial direta falando dos benefícios de preços e conveniência de determinado produto. O marketing 5.0, como é chamado, foi utilizado de maneira proveitosa nestes tempos de pandemia por empresas que apelaram para comunicação abordando sentimentos humanos como resiliência, superação, solidariedade e outros temas sensíveis ao prolongado período de quarentena.

“Consumidores estão cada vez mais atentos aos valores da marca e se preocupam em comprar de empresas com as quais se sintam conectados, que praticam boas ações ambientais e de responsabilidade social junto aos colaboradores e à comunidade”, afirmou a gerente de Marketing da multinacional de higiene e limpeza Procter &  Gamble, Natália Passarinho, em live a alunos da Universidade Metodista de São Paulo na noite de 17 de setembro.

A convite das turmas de Marketing EAD e da área de Relacionamento Corporativo, Natália mostrou que é possível fazer relacionamento ou publicidade de uma marca de maneira diferenciada, com conteúdo atingindo o lado emocional do consumidor.

Não-publicidade

A executiva da P&G trouxe como exemplo a Coca-Cola, que suspendeu campanhas publicitárias imediatamente após a decretação da pandemia, em março de 2020. E quando voltou, dois meses depois, relacionou os anúncios ao momento de força íntima e resistência coletiva empenhadas por todos diante da Covid-19.

“Vejam só o poder de uma marca: a Coca-Cola só pôde suspender anúncios porque tornou-a forte ao longo de toda a história, fez isso de maneira estratégica ao associar a suspensão à doação de dinheiro para ajudar no combate à doença, e segurou a verba publicitária num momento econômico difícil, de bares e restaurantes fechados”, enumerou a gerente de Marketing.

Ao retornar com anúncios institucionais em pleno horário dominical do Fantástico e 10 canais abertos de TV, além de plataformas digitais, a marca acabou fazendo publicidade da não-publicidade, definiu Natália Passarinho.

Veja aqui a íntegra da palestra Marketing Já, que inicia aos 22 minutos. Antes disso, Natália trocou bate-papo informal com professor Oswaldo Martins dos Santos Filho, coordenador da Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing, e Angelo Baroni, coordenador de Relacionamento Corporativo da UMESP.

Reportar Erros

X