TRAÇOS DA ESPERANÇA NA BÍBLIAimagem_estudos.gif

No Antigo Testamento temos:

  • a clara impressão que o povo bíblico vivia em um clima de esperança;
  • a percepção do tema da esperança nos textos que relatam a fé e a história do povo.
  • o valor e a importância da "esperança" é tão amplo quanto o seu vocabulário:

1 - seber no hebraico é esperança, cuja raiz é sbr aguardar, ter esperança.
- Ampara-me, segundo a tua promessa, para que eu viva;
Não permitas que a minha esperança me envergonhe (Sl 119.116).

- Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio;
cuja esperança está no Senhor seu Deus (Sl 146.5).

Seber significa uma expectativa confiante no seu Deus, pois ele saber que Ele não desaponta os/as que O buscam e O obedecem.
- Espero, Senhor, na Tua salvação, e cumpro os teus mandamentos. (Salmo 119. 166)

2 - Da raiz hebraica qwh, esperar, buscar com grande expectativa, surgiram dois substantivos: miqweh e tiqwah, ambos significando esperança, em meio às agressões dos malvados contra os justos.
Mas os que esperam no Senhor,
Renovam as suas forças;
Sobem com asas como águias,
Correm e não se cansam,
Caminham e não se fatigam (Is 40.41).

A Tua salvação espero, ó Senhor! (Gn 49.18).

  • Observação: o germe do messianismo está na expectativa da ação de Deus. A história bíblica, contada através dos hinos, revela que esperar com confiança e firmeza a libertação das agressões constitui uma grande expressão de fé.

3 - A palavra hebraica tohelet esperança possui o sentido de esperar com confiança e fé. O salmista pronuncia duas vezes o verbo yahal esperar na sua oração.
Aguardo o Senhor,
A minha vida O espera.
A minha vida anseia pelo Senhor, (...)
Espera no Senhor (Sl 130. 5-6).

Espera, ó Israel, no Senhor,
Desde agora e para sempre (Sl 131.3).

O variado uso de verbos e substantivos, ligados à esperança, merece dos/as leitores/as da Bíblia uma análise mais profunda. A esperança do salmista não diz respeito a um mero anseio de sua mente, mas a sua expectativa está ligada a uma ação futura de Deus no mundo.

A língua hebraica possui muitas outras palavras que conduzem o sentido de "esperança". Entre elas estão:

mabbat » esperança, expectativa (Zc 9.5; Is 20.5-6)
kesel » confiança, esperança (Pr 3.26; Jó 8.14)
hasah » buscar refúgio, confiar, esperar (Sl 118.8-9)
batah » confiar (Sl 16.9; 33.21).

Nascimento da esperança:

Um exemplo marcante do tema "esperança", pregada na Bíblia, está registrado no livro de Êxodo, o anseio pela liberdade é movido pelo signo da esperança em um Deus que através de Moisés, poderia levá-los à concretização do sonho de liberdade. Um bom exemplo que caracteriza o nascer da esperança encontra-se no relato do chamado de Moisés. Nessa ampla reportagem, no livro de Êxodo, observamos dois detalhes:

a) A situação aflitiva do povo hebreu: "...eu vi a aflição de meu povo no Egito" (Ex 3.7a);

b) A atenção de Deus para com o povo aflito: "... e ouvi o seu clamor..." (Ex 3.7b).

c) A presença e o cuidado de Deus para com as pessoas carentes: "... conheço-lhe o sofrimento" (Ex 3.7c).

d) A ação salvadora de Deus: "por isso desci a fim de livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra boa e ampla, terra que mana leite e mel... (Ex 3.8).

Esta sequência narrativa mostra ser a realidade do povo bíblico. Essa ação de Deus marcou tão profundamente a vida desses escravos e escravas, que eles instituíram uma celebração anual para lembrar esse acontecimento que lhes restaurou a vida plena entre eles e elas. O Salmo 136 é testemunha.

Rendei graças ao Senhor!
Eis que!
Ele é bom.
Eis que!
A Sua bondade dura para sempre.
(...) Aquele que feriu o Egito...
(...) e tirou Israel do meio deles;
(...) com mão poderosa e braço estendido;
(...) Aquele que separou em duas partes o Mar Vermelho;
(...) e por entre elas fez passar a Israel;
(...) Aquele que conduziu o seu povo pelo deserto (...)

A celebração da Ceia do Senhor ou Eucaristia, no Novo Testamento (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.14-20; 1 Co 11.16-34), está fundamentada na memória dos atos salvíficos de Deus em favor da vida plena de seu povo. A Igreja Cristã não pode esquecer da tradição guardada pelo Apóstolo Paulo:

(...) Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice,
anunciais a morte do Senhor, até que ele venha (1 Co 11.26).

Portanto, para a Igreja Cristã, a forte expectativa da vinda do Messias Salvador concretizou-se com a chegada de Jesus. Após seu profético e frutífero ministério, morte na cruz e ressurreição, a comunidade dos discípulos e discípulas O chamou de Messias, isto é, Jesus Cristo. Desde então, a comunidade cristã celebra a Ceia do Senhor para celebrar Sua morte, ressurreição e anunciar Sua volta.

A personificação da esperança

O Antigo Testamento, ou Primeiro Testamento, conta que o povo bíblico esperou pela chegada de uma figura, não claramente definida, que viria fazer companhia em tempos de perda e angústia.

"No ano da morte do rei Uzias..." (Is 6.1);

"Mas para a terra que estava aflita..." (Is 9.1);

"O povo que jazia em trevas..." (Mt 4.16).

1 - O perfil da figura esperada

O papel dessa figura esperada é diverso e variado, mas através dos textos bíblicos pode-se vislumbrar algumas de suas características:

a) Ele é um emissário e mediador de Deus (Sl 21);

Pois o puseste por bênção para sempre... (Sl 21.6a).
Ali farei brotar a força de Davi; prepararei uma lâmpada para o meu Ungido (Sl 132.17).

b) Ele é um protegido de Deus:

Agora sei que o Senhor salva o seu Ungido (Sl 20.6a).

c) Ele é governo de todo o universo.

Domine Ele de mar a mar...
Curvem-se diante dele os habitantes do deserto...
E todos os reis se prostrem perante Ele (Sl 72. 9-11).

d) Ele é um governo diferenciado:

"...e o seu nome será: Maravilhoso,
Conselheiro,
Deus Forte,
Pai da Eternidade,
Príncipe da paz (Is 9.6)

e) Ele é um governo com o perfil pastoral:

"Ele se erguerá e apascentará o povo na força do Senhor,
na majestade do nome do Senhor, seu Deus;
(...)
Ele será engrandecido até os confins da terra.
Este será a nossa paz" (Mq 5.4-5).

"Suscitarei sobre eles um só pastor,
e ele as apascentará....
ele lhes servirá de pastor" (Ez 34.23).

2. O nome do esperado:

Entre os vários nomes dado a esse emissário ou mediador de Deus, estão:

a) Siló

O cetro não se arredará de Judá,
Nem o bastão de entre seus pés,
Até que venha Silo; e a ele obedecerão os povos (Gn 49.10).

b) Imanuel ou Emanuel

Portanto, o Senhor vos dará um sinal:
Eis! A jovem mulher conceberá
e dará à luz um filho,
e lhe chamará Imanuel (Is 7.14).

TRAÇOS DA ESPERANÇA NA BÍBLIA

No Antigo Testamento temos:

a clara impressão que o povo bíblico vivia em um clima de esperança;

a percepção do tema da esperança nos textos que relatam a fé e a história do povo.

o valor e a importância da "esperança" é tão amplo quanto o seu vocabulário:

1 - seber no hebraico é esperança, cuja raiz é sbr aguardar, ter esperança.
- Ampara-me, segundo a tua promessa, para que eu viva;
Não permitas que a minha esperança me envergonhe (Sl 119.116).

- Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio;
cuja esperança está no Senhor seu Deus (Sl 146.5).

seber significa uma expectativa confiante no seu Deus, pois ele saber que Ele não desaponta os/as que O buscam e O obedecem.
- Espero, Senhor, na Tua salvação, e cumpro os teus mandamentos. (Salmo 119. 166)

2 - Da raiz hebraica qwh, esperar, buscar com grande expectativa, surgiram dois substantivos: miqweh e tiqwah, ambos significando esperança, em meio às agressões dos malvados contra os justos.

Mas os que esperam no Senhor,
Renovam as suas forças;
Sobem com asas como águias,
Correm e não se cansam,
Caminham e não se fatigam (Is 40.41).

A Tua salvação espero, ó Senhor! (Gn 49.18).

Observação: o germe do messianismo está na expectativa da ação de Deus. A história bíblica, contada através dos hinos, revela que esperar com confiança e firmeza a libertação das agressões constitui uma grande expressão de fé.

3 - A palavra hebraica tohelet esperança possui o sentido de esperar com confiança e fé. O salmista pronuncia duas vezes o verbo yahal esperar na sua oração.
Aguardo o Senhor,
A minha vida O espera.
A minha vida anseia pelo Senhor, (...)
Espera no Senhor (Sl 130. 5-6).

Espera, ó Israel, no Senhor,
Desde agora e para sempre (Sl 131.3).

O variado uso de verbos e substantivos, ligados à esperança, merece dos/as leitores/as da Bíblia uma análise mais profunda. A esperança do salmista não diz respeito a um mero anseio de sua mente, mas a sua expectativa está ligada a uma ação futura de Deus no mundo.

A língua hebraica possui muitas outras palavras que conduzem o sentido de "esperança". Entre elas estão:

mabbat » esperança, expectativa (Zc 9.5; Is 20.5-6)
kesel » confiança, esperança (Pr 3.26; Jó 8.14)
hasah » buscar refúgio, confiar, esperar (Sl 118.8-9)
batah » confiar (Sl 16.9; 33.21).

Nascimento da esperança:

Um exemplo marcante do tema "esperança", pregada na Bíblia, está registrado no livro de Êxodo, o anseio pela liberdade é movido pelo signo da esperança em um Deus que através de Moisés, poderia levá-los à concretização do sonho de liberdade. Um bom exemplo que caracteriza o nascer da esperança encontra-se no relato do chamado de Moisés. Nessa ampla reportagem, no livro de Êxodo, observamos dois detalhes:

a) A situação aflitiva do povo hebreu: "...eu vi a aflição de meu povo no Egito" (Ex 3.7a);

b) A atenção de Deus para com o povo aflito: "... e ouvi o seu clamor..." (Ex 3.7b).

c) A presença e o cuidado de Deus para com as pessoas carentes: "... conheço-lhe o sofrimento" (Ex 3.7c).

d) A ação salvadora de Deus: "por isso desci a fim de livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra boa e ampla, terra que mana leite e mel... (Ex 3.8).

Esta seqüência narrativa mostra ser a realidade do povo bíblico. Essa ação de Deus marcou tão profundamente a vida desses escravos e escravas, que eles instituíram uma celebração anual para lembrar esse acontecimento que lhes restaurou a vida plena entre eles e elas. O Salmo 136 é testemunha.

Rendei graças ao Senhor!
Eis que!
Ele é bom.
Eis que!
A Sua bondade dura para sempre.
(...) Aquele que feriu o Egito...
(...) e tirou Israel do meio deles;
(...) com mão poderosa e braço estendido;
(...) Aquele que separou em duas partes o Mar Vermelho;
(...) e por entre elas fez passar a Israel;
(...) Aquele que conduziu o seu povo pelo deserto (...)

A celebração da Ceia do Senhor ou Eucaristia, no Novo Testamento (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.14-20; 1 Co 11.16-34), está fundamentada na memória dos atos salvíficos de Deus em favor da vida plena de seu povo. A Igreja Cristã não pode esquecer da tradição guardada pelo Apóstolo Paulo:

(...) Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice,
anunciais a morte do Senhor, até que ele venha (1 Co 11.26).

Portanto, para a Igreja Cristã, a forte expectativa da vinda do Messias Salvador concretizou-se com a chegada de Jesus. Após seu profético e frutífero ministério, morte na cruz e ressurreição, a comunidade dos discípulos e discípulas O chamou de Messias, isto é, Jesus Cristo. Desde então, a comunidade cristã celebra a Ceia do Senhor para celebrar Sua morte, ressurreição e anunciar Sua volta.

A personificação da esperança

O Antigo Testamento, ou Primeiro Testamento, conta que o povo bíblico esperou pela chegada de uma figura, não claramente definida, que viria fazer companhia em tempos de perda e angústia.

"No ano da morte do rei Uzias..." (Is 6.1);

"Mas para a terra que estava aflita..." (Is 9.1);

"O povo que jazia em trevas..." (Mt 4.16).

1 - O perfil da figura esperada

O papel dessa figura esperada é diverso e variado, mas através dos textos bíblicos pode-se vislumbrar algumas de suas características:

a) Ele é um emissário e mediador de Deus (Sl 21);

Pois o puseste por bênção para sempre... (Sl 21.6a).
Ali farei brotar a força de Davi; prepararei uma lâmpada para o meu Ungido (Sl 132.17).

b) Ele é um protegido de Deus:

Agora sei que o Senhor salva o seu Ungido (Sl 20.6a).

c) Ele é governo de todo o universo.

Domine Ele de mar a mar...
Curvem-se diante dele os habitantes do deserto...
E todos os reis se prostrem perante Ele (Sl 72. 9-11).

d) Ele é um governo diferenciado:

"...e o seu nome será: Maravilhoso,
Conselheiro,
Deus Forte,
Pai da Eternidade,
Príncipe da paz (Is 9.6)

e) Ele é um governo com o perfil pastoral:

"Ele se erguerá e apascentará o povo na força do Senhor,
na majestade do nome do Senhor, seu Deus;
(...)
Ele será engrandecido até os confins da terra.
Este será a nossa paz" (Mq 5.4-5).

"Suscitarei sobre eles um só pastor,
e ele as apascentará....
ele lhes servirá de pastor" (Ez 34.23).

2. O nome do esperado:

Entre os vários nomes dado a esse emissário ou mediador de Deus, estão:

a) Siló

O cetro não se arredará de Judá,
Nem o bastão de entre seus pés,
Até que venha Silo; e a ele obedecerão os povos (Gn 49.10).

b) Imanuel ou Emanuel

Portanto, o Senhor vos dará um sinal:
Eis! A jovem mulher conceberá
e dará à luz um filho,
e lhe chamará Imanuel (Is 7.14).

Reportar Erros

X