Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Prof. Cilene fala sobre dificuldades da cobertura jornalística nos deslocamentos humanos

por Maria Luisa Marcoccia Última modificação 2021-07-22T20:26:55+00:00

Os deslocamentos humanos provocados por desastres climáticos ou êxodos geográficos são quase que invisíveis na ampla esfera das pautas jornalísticas. Acabam se resumindo a rostos e estatísticas, e ocultando histórias dramáticas de vida e sofrimento.

“Geralmente nas entrevistas internacionais temos tempo de fazer uma única pergunta: o que você está deixando para trás? E a primeira reação é o choro”, conta a professora de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo Cilene Victor, que participou da série de documentários Eu, Nós e Nosso Meio Ambiente Webdoc.

Especializada e dedicada à linha de pesquisa sobre jornalismo humanitário, professora Cilene afirmou que as escolas não preparam o comunicador para situações em que vidas são representadas por rostos, cheiros, tatos. “Os deslocados por desastres são um dos temas mais invisíveis do jornalismo e nesse processo de migração sofrem mais violações  de direitos humanos e civis, pois acabam indo parar nas áreas de risco das periferias”, reforçou a docente ao webcanal Vozes dos Biomas, comandado pela também jornalista Sucena Resk.

Acompanhe a íntegra do 2º episódio da série Frente a Frente com o Capital Humano da Ciência Climática Brasileira.

 

Cilene1.JPG

Reportar Erros